sábado, outubro 15, 2005

"A BLOGOSFERA VISTA PELA BLOGOSFERA" - CONCLUSÕES DOS GRUPOS DE TRABALHO



Weblogs e Ensino
Coordenador: Rogério Santos

No caso concreto do Ensino, Rogério Santos, responsável pelo blogue Indústrias Culturais, falou dos blogues como uma forma de comunicação entre professores e alunos. Dos blogues ligados ao Ensino Superior, Rogério Santos citou, entre outros, o Ponto Media, o Jornalismo e Comunicação, o JornalismoPortoNet Weblog, a Aula de Jornalismo, Espaço Público e o NetFM. Para além de questões relacionadas com o Ensino estes são também espaços de discussão pública sobre os media e o jornalismo, por exemplo.
“Muitos destes blogues não têm um vínculo às próprias instituições, o que me parece errado”, refere Rogério Santos. Os blogues podem ser uma forma de promoção da própria universidade.

Os blogues permitem partilhar conhecimento na web de uma forma instantânea. O curioso é que, normalmente, os alunos mais tímidos partilham muito mais ideias através da escrita num blogue. Outra vantagem apresentada é a consulta permanente e a possibilidade de avaliar os progressos ao longo do tempo. O professor deve demonstrar que a participação no blogue será objecto de análise. É possível uma grande interactividade e colaboração.

O blogue deve ser uma ferramenta usada por alunos e professores, mas não a única ferramenta electrónica utilizada.




Weblogs e Cultura
Coordenador: Jorge Bacelar


Jorge Bacelar, um dos responsáveis pelo “Blogue dos Marretas”, considera que os blogues culturais são pontos de encontro de pequenas comunidades que partilham interesses muito específicos.

Uma das questões abordadas por este grupo de trabalho foi a dos direitos de autor. “A partir do momento em que publicamos tornamos algo público, mas trata-se de uma questão que deve ser referida, porque há uma preocupação generalizada com esta matéria”, refere o coordenador, que lembrou ainda problemas relacionados com a auto-regulação.

Este grupo de trabalho falou no interesse em “criar um espécie de Torre do Tombo para blogues onde toda a informação pudesse estar disponível para os estudiosos do futuro”.

“Nesta área da cultura há experiências interessantes de escrita participativa, conseguida a «várias mãos»”, acrescenta Bacelar. “Estamos no meio de um fenómeno e não sabemos onde isto vai dar. Só dentro de uns anos teremos distanciamento suficiente para analisar estas questões”, termina.



Weblogs e Política
Coordenador: Pedro Mexia


“Os blogues são isto ou aquilo é uma frase errada”, refere Pedro Mexia que em tempos esteve ligado ao blogue de direita “A Coluna Infame”.
Pedro Mexia lembrou que “a blogosfera portuguesa começou por ser política, muito ligada a toda a nova ordem mundial pós 11 de Setembro”.
Como os media são um espaço limitado há sempre quem ache que não está representado nas colunas de opinião. “Este é normalmente o discurso de justificação dos bloggers políticos para a criação de um espaço próprio”, explica Mexia. Houve quem criasse blogues como factor de correcção dessa lacuna e houve depois o caso curioso de os jornais irem buscar bloggers para as suas colunas de opinião.
“Há três anos que há posts a explicar o liberalismo. A ideia de que há pessoas a discutir política pura é interessante. Depois começaram a entrar pessoas mais ligadas aos aparelhos partidários, com todo o direito”, lembrou o coordenador deste grupo.
Pedro Mexia falou ainda dos blogues políticos como instrumento de polémica. “Nunca terei um blogue com comentários. Acho que os comentários abrem a porta ao pior da natureza humana, à calúnia, ao insulto e às insinuações”, refere.

Há também uma questão que tem a ver com o facto de os blogues serem ou não espaço público e aqui Pedro Mexia falou em três pontos:
1. Questão deontológica – deveria ou não haver regras deontológicas, tais como na imprensa? Afinal quem é o responsável?

2. Forma como jornalistas (políticos) que não têm um espaço de opinião, têm blogues e comentam através deles as notícias que os seus jornais dão.

3. Pessoas que multiplicam as suas formas de intervenção e aqui os bloggers são também opinion makers.

Nuno Jerónimo (Blogue dos Marretas), membro deste grupo, lembra que os primeiros blogues políticos que apareceram eram colectivos. “A ideia de uma comunidade de interesses se organizar permite que o acompanhamento diário das notícias seja facilitado”. Mas nem tudo é positivo, como no caso do Barnabé, em que as discussões internas levaram ao fim do blogue.

No âmbito da política foi ainda referida a utilização dos blogues pelos candidatos nas últimas eleições legislativas.



Weblogs e Jornalismo
Coordenador: Luís Santos


Luís Santos, autor do Atrium refere que quase todos os blogues portugueses na área do jornalismo dispõem de sistema de comentários.
O coordenador distinguiu várias categorias de weblogs nesta área:
  • Weblogs que acrescentam informação adicional;
  • Weblogs que acompanham o funcionamento dos media, e que se situam entre o watchdog e o provedor;
  • Weblogs de jornalistas sobre a sua própria actividade profissional;
  • Weblogs de jornalistas ligados às empresas como os que foram criados pelo jornal Público;
  • Weblogs para formação ou sobre formação em jornalismo.

Luís Santos apontou algumas mudanças do ponto de vista técnico, verificadas nos últimos anos que permitiram ao utilizador uma maior facilidade na actualização e apresentação do seu blogue. O autor do Atrium falou ainda da importância da existência de leitores de RSS, um tema constante em praticamente todas as apresentações.

O grupo de trabalho de Jornalismo falou também da existência de uma “pedagogia da discordância, pelo menos nesta área”, explica Santos. “As pessoas passaram a ter discussões prolongadas”. O coordenador diz que um grande número de comentários deixou de estar associados a nicknames ou anónimos e citou António Granado (Ponto Media) para dizer que “não se responde a anónimos”.

“Os blogues tornaram-se fontes de informação mais credíveis”, acrescenta, mas ainda não foi percorrido grande parte deste caminho.

Foi referido o exemplo do conceituado jornalista brasileiro – Ricardo Noblat – que passou a ter um blogue onde faz jornalismo, ou seja, passou a dar notícias num formato blogue. A questão que se pode colocar é: será isto jornalismo ou não?
“Um optimista como Gillmor diria que é bom ter jornalistas sozinhos a fazer jornalismo, mas todos sabemos que o relacionamento numa redacção não é o mesmo que à distância e todos sabemos que existem constrangimentos da redacção relacionados com uma orgânica própria importantes para o exercício da profissão”.

Uma coisa é certa “os blogues podem exercer uma vigilância activa sobre o jornalismo”, conclui.



Weblogs no contexto organizacional
Mónica André

Mónica André (B2OB) diz que resolveu criar um weblog para ver se a ferramenta era fácil ou não de utilizar e passou a recolher tudo o que achasse necessário sobre o contexto organizacional.

Nos weblogs a sensação de distância é diminuta ou irrelevante. “Com as possibilidades da Internet, “as conversas surgem à escala global, o importante é pôr as pessoas a falar e a trocar ideias”, refere. Segundo a coordenadora deste grupo é importante falar de sentido de comunidade porque “rapidamente se faz parte de uma comunidade internacional”.

Mónica André falou da importância da partilhar e disponibilizar informação, citar o que os outros estão a fazer de bom. A coordenadora deixou no ar algumas questões:

  • Quem são as pessoas dentro das organizações que devem ter blogues? Todas ou apenas algumas?
  • Implementar weblogs numa organização interessa a quem?

Mónica André considera que “há alguma resistência em implementar weblogs nas organizações porque isso torna visível o que as pessoas não fazem”.



Weblogs e Imagem
Coordenador: José Carlos Abrantes
Conclusões apresentadas por Ricardo Bernardo


Ricardo Bernardo (Zone 41) apresentou as conclusões do grupo de trabalho Weblogs e Imagem, que teve como coordenador José Carlos Abrantes. Foi abordada a questão do direito das imagens reproduzidas em blogues. “A disponibilização de imagens em weblogs está na facilidade ou não em utilizar determinadas ferramentas. “Em Portugal, os fotoblogs, por exemplo, não têm o peso que têm no Brasil”.

Foi ainda focado o design dos webblogs e a possibilidade dos criadores de design gráfico terem aqui uma fonte de rendimento. Para a maioria das pessoas, a dificuldade está em tornar o layout mais personalizado, pois isso depende dos conhecimentos de cada um em utilizar determinadas ferramentas. “A dependência das ferramentas limita muito o que fazemos. Quem tem acesso a outras plataformas pode ir mais longe”, acrescenta Bernardo.

Foram citados blogues como “A Cidade Surpreendente”, um blogue de imagens sobre a cidade do Porto. “Existem weblogs reflectem sobre as imagens e sobre o lugar que elas ocupam”, explica Ricardo Bernardo. A propósito do blogue de João Lopes e Nuno Galopim (Sound + Vision), este grupo associou ainda a imagem ao cinema e à música.

De que forma a inclusão de tecnologias nos blogues pode aumentar a interactividade ou destruir a estrutura actual dos blogues? – foi uma das questões levantadas já em tempo de debate, assim como a possibilidade ou não de o texto nos blogues ser substituído pela imagem estática ou pela imagem em movimento. A esta questão João Canavilhas, organizador do Encontro, responde que o texto é, neste momento, o aspecto central destes dispositivos, mas não esquece o sucesso de alguns blogues - como o Xupacabras - em que a fotografia se assume como tema central.



Tags: 2encontro, weblogs.

6 Comments:

Anonymous Anónimo said...

RealPlayer's Really Annoying Legacy
News, opinion, and links from Editor in Chief Harry McCracken. See all PC World's Techlog.
Hey, you have a great blog here! I'm definitely going to bookmark you!

I have a Russian woman site. It pretty much covers
Russian woman related stuff.

Come and check it out if you get time :-)

7:47 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Tech Centers
Windows -- InformationWeek's coverage of Windows software and Windows security, all in one place ... Microsoft, operating systems, and enterprise apps Business Apps -- From desktops to the enterprise Business Intelligence -- Insights on how to optimize the functioning of your business Integration -- Coverage that details how to make disparate ...
Find out how you can buy and sell anything, like things related to private road construction on interest free credit and pay back whenever you want! Exchange FREE ads on any topic, like private road construction!

11:50 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

ZUMA Inks Deal with Spanish-Language Media Firm
E&P welcomes your feedback and comments: letters@editorandpublisher.com . By using this link, you agree to allow E&P to publish your comments on our letters page.
Hi you've got a great blog here, the best I've seen so far for Online loans - apply for loans online related. Keep up the good job! I found a similar Online loans - apply for loans online related website yesterday, check it out. Looks like the
Online loans - apply for loans online related site does not have a blog yet, so check them out at their company site.

12:08 da manhã  
Blogger MJMatos said...

Esqueceram-se dos blogues de Ensino Secundário. Houve alguma censura? 8-)

10:20 da manhã  
Blogger encontro said...

Não houve qualquer tipo de censura Manuel :)
Mas tem toda a razão, a referência aos weblogs no Ensino Secundário também foi abordada na sessão. Como referiu o próprio coordenador do grupo de trabalho de Ensino, o exemplo da Adelina Moura e da sua experiência com um blogue no Ensino Secundário foi muito enriquecedor.

2:36 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Acho que não faltará muito para que alguns destes "iluminados" percebam a relevância do anonimato e de como isso é um factor diferenciador deste meio.

Em nenhum meio como neste, o anonimato permite uma liberdade tão grande. A Wikipedia é feita sobretudo de contribuições anónimas. Um fórum tem mais visitas e participações se for aberto a anónimos.

Para quando a luz?

9:02 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home